quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

VIAGEM AO CHILE! algumas aves registradas!

O  Chile é um país da América do Sul, situado na costa do Pacifico, um dos dois que não fazem fronteira com o Brasil. Entre os dias 20 a 25 de janeiro de 2016, estivemos naquele pais, a passeio, desfrutando de suas muitas belezas, admirando seu povo, hospitaleiro, solicito e amigável! mas também aproveitando para fotografar as aves que aparecessem ´pela nossa frente!


Fonte desse mapa: http://webcarta.net/carta/mapa.php?id=3930&lg=pt.

Nosso trajeto, conf. simulação no Google Earth:


De Vitória a Santiago, em linha reta, deu quase 3.300 Km. de distância!

Santiago é uma cidade especial, muito moderna, com um ar europeu mas pode ser notada uma mistura tipicamente americana, tanto na arquitetura quanto na população. 
Com um setor produtivo muito eficiente, o Chile tem se destacado como o país latino-americano mais próspero e com maior renda per capita. Essa realidade pode ser vista facilmente, com uma população ordeira e satisfeita com seu país.


Santiago é uma metrópole com 6 milhões de habitantes e com uma atmosfera muito moderna, destacando-se altos edifícios de seu centro financeiro:


Á direita pode ser observado o edifício de 47 andares que até 2012 era o mais alto do país, mas desde então, perdeu o posto de edifício mais alto para o Edifício Sky- Costanera, que com seus 64 pavimentos tornou-se o mais alto da América Latina:


Fonte dessa foto: http://www.24horas.cl/tendencias/espectaculosycultura/instagram-10-espectaculares-fotos-tomadas-desde-el-sky-costanera-1772341.

Mas o passeio pelo Chile não foi apenas para apreciar sua arquitetura sofisticada e suas inúmeras lojas e pontos comerciais! Também encantou-nos a culinária chilena, que além de vinhos excelentes, nos oferecem algumas iguarias  como o caranguejo gigante conhecido como centolla.


No Brasil esse caranguejo tornou-se famoso, não somente pelos turistas que vão ao Chile mas também  ao programa de TV que relata a pesca desse caranguejo no Alasca. No sul do Chile, em Punta Arenas, também se pesca esses gigantescos caranguejos das profundezas frias, mas trata-se de outra espécie, mas igualmente muito saborosa no prato.
Também visitamos alguns parques e a cidade de Valparaíso. Uma diferença marcante que observamos entre os climas de Vitória e Santiago, nesse mês de janeiro, é relativa à umidade. Vitória possui um clima úmido, com precipitações médias históricas de 1.250mm anuais. Já Santiago, localizada no paralelo de 33 graus sul, possui um clima temperado mediterrâneo, com precipitações médias históricas de apenas 338 mm durante o ano todo, o que faz com que os morros próximos sejam bastante ressequidos  como abaixo:

Ao sul o clima fica mais úmido, com florestas de coníferas. Visitamos parque em Santiago e lá, registramos as aves abaixo:


O  Zorzal, Turdus falcklandii, é um sabiá, isto é, um Turdidae que parece ser comum. Vimos essa ave em vários locais de Santiago.
No mesmo local registramos um icterídeo, o Tordo, Curaeus curaeus, com vários exemplares procurando alimento entre a vegetação do parque.

No mesmo local registramos uma Columbidae, que supomos ser a pomba Tortola, Zenaida auriculata, uma sub-espécie chilena, visto tratar-se de pomba com vasta dispersão na América do Sul.:


No outro dia visitamos Valparaíso e Vinã-del-Mar, locais bem interessante sobre as espécies de aves. No litoral, pode ser verificado que o Chile é rico em aves marinhas. Isso devido à corrente fria de Humboldt que traz para próximo da costa grandes cardumes de enchovetas, Engraulis ringens. Esses cardumes suportam uma industria de milhões de toneladas anualmente. Esse fato, também atrai muitas aves conf. segue:


Vimos muitos indivíduos desses Atobás, Sula variegata, que parece comum no lugar, em vários costões.

O Gaivotão, Larus dominicanus, conhecido no Chile como Gaivota é muito comum na região costeira.


Uma das aves mais espetaculares que vimos na região, o Pelicano Pelecanus thagus. Uma colonia grande em Valparaíso, nas pedras junto a outras aves.

Outra ave muito interessante do Chile: a Monja, Larosterna  inca, é uma ave gregária que habita os costões rochosos junto a outras espécies. Não parece ser rara.



Uma ave, que creio não ser comum e de hábitos muito peculiares é o Churrete costero,  Cinclodes nigrofumosus. Essa ave foi vista no litoral de Valparaíso forrageando nas pedras da beira mar, mexendo as algas verdes,:



Nesses costões rochosos habitados  por aves, outro ocupante ilustra mostrava-se à vontade e em grandes  bandos: Os leões marinhos!






Para a identificação das aves, consultei  o site  AVES DE CHILE: http://www.avesdechile.cl/

Obrigado amigas e amigos que nos visitam!




sábado, 26 de dezembro de 2015

VIAGEM À RES. NATURAL DA VALE - LINHARES.

Acompanhados dos colegas Justiniano Magnago e Evandro Limonge, estivemos nesta semana, entre os dias 21 e 22, no baixo Rio Doce, na Reserva Natural da Vale. Apesar do tempo muito seco, que fez com que os pequenos córregos que cortam a mata estejam secos, pudemos mais uma vez admirar a riquíssima fauna de aves e mamíferos do lugar.

O macaco prego Cebus apella, é comum no lugar. Aqui um deles levantando uma manga madura.



carregando um filhote nas costas:



uma estranha lagartixa arborícola:


Mas o objetivo era mesmo as aves, que passamos a mostrar em sua beleza:

A corujinha-sapo, Megascopila atricapilla, empoleirada e fotografada no escuro:



O bravo caburé miudinho, Glaucidium minutissimum.



A Chorona-cinza, Laniocera hypopyrra, é ave rara e lindíssima! É uma ave somente encontrada na floresta amazônica e nas matas do leste, do norte do ES e sul da BA.:



O papa-lagartas de Euleri, Coccyzus  euleri, alimentando-se de uma lagarta capturada na copa das árvores:




O Flautim-marrom  Schiffornis turdina, é ave não muito comum:




O Beija-flor Safira,  Hylocharis sapphirina: 



O Beija-flor de barriga branca, Amazilia leucogaster, espécie que tem o limite sul de distribuição no ES.:



O papagaio moleiro Amazona farinosa: esse aqui, com a cara suja de comer manga madura!



Mutuns de bico vermelho, Crax blumembachii, frequente na reserva, apesar de ameaçada de extinção:



O surucuá-grande de barriga amarela: Trogon viridis:  



Um bom fim de ano e um 2016 cheio de saúdes, paz e............aves e peixes!

domingo, 13 de dezembro de 2015

ALGUNS BEIJA FLORES!

Beija flores  são aves tão graciosas que dispensam apresentações! Agora, vamos apreciar algumas fotos deles:



Calliphlox amethystina, Estrelinha ametista, a femea!


Calliphlox amethystina, Estrelinha ametista, o macho.


Beija flor de garganta verde, Amazilia fimbriata.


Femea do Topetinho-vermelho Lophornis magnificus.


Balança-rabo de bico-torto Glaucis hirsutus.

Beija flor Roxo, Hylocharis cyanus.

Todos foram clicados na Estação biológica do Museu de Biologia Prof. Mello Leitão em Santa Teresa,ES, Brasil.

domingo, 29 de novembro de 2015

Beija-Flores e Mariposas: interessante caso de convergência!

O interessante caso de evolução análoga existente entre algumas espécies de beija flores, pequenos, com comprimento em torno de 8 cm. e algumas mariposas foi relatado por  SICK( 1997) em sua obra clássica sobre nossas aves: AVES BRASILEIRAS. Sempre achei esse fato super interessante mas nunca tinha conseguido ver essa mariposa, já que os beija-flores, em várias ocasiões consegui registra-los, mas somente o topetinho vermelho Lophornis magnificus.

Então, recentemente tive a sorte de registrar a mariposa, tão famosa! e creio que sua identificação é a Aellopus titan.



Essa mariposa foi citada  por SICK  em sua obra magistral:



 No capitulo sobre beija flores, o mestre tece comentários sobre a evolução muito parecida entre essa mariposa e os Lophornis.



A figura  que se tornou famosa, a comparação entre um Lophornis e Aellopus:


Agora  uma foto do topetinho verde Lophornis chalybeus, retirada  do site http://argentavis.org/2012/sitio/autor2.php?id=74, de Marcel Holyoak


Nossa  foto  da Aellopus  titan:



Pode ser observada a incrível semelhança entre o beija flor e essa mariposa tão  bonita quanto interessante. É destacado por SICK em seu livro, que essa semelhança é corroborada  por diversas observações de populares sobre esses beija flores pequenos! Em muitos lugares as pessoas acreditam que os beija flores se desenvolvam a partir de lagartas! Ou que se metamorfoseiam em mariposas!


Fica o registro de Aellopus  titan,  com destaque para sua semelhança  com os Lophornis.

domingo, 22 de novembro de 2015

Spizaetus tyrannus: O tirano da Floresta Atlântica!

Gaviões são aves muito especiais! Talvez devido sua dieta diferente, seus hábitos e comportamentos são muito distintos das demais aves! Conheço um biólogo que identifica até mesmo um certo desprezo no olhar de aves de rapina quando nos olham! O Brasileiro tem o hábito de chamar "gaviões" aos rapinantes da família Accipitridae, mesmo os maiores e com portes de águias. Tal é o caso da Harpia, que entre nós tem também o apelido de "Gavião-real". O Gavião pega macaco, Spizaetus tyrannus, também é um desses rapinantes que podem ser enquadrados como uma águia. Tanto que seu nome em inglês é Black hawk-eagle. 
Dos grandes gaviões de penacho, chamados por SICK( 1997) de "águias americanas", o Tyrannus é o mais encontradiço, sendo registrado tanto em matas grandes de reservas quanto em matas secundárias próximas a cidades. Nas proximidades de Vitória, ele pode ser registrado nas cercanias da Reserva de Duas Bocas em Cariacica, 35-40 km; em Chaves, Santa Leopoldina a uns 65 km de distância, nas encostas florestadas de Campinho a cerca de 50 km. Já o registramos em vários outros locais como nas matas remanescentes de Afonso Cláudio e Itarana, no morro de Aricanga em Aracruz, e até em locais de reflorestamentos e matas cultivadas como nas plantações de "cabruca" do cacau, no baixo Rio Doce município de Linhares.
Ontem dia 21 de novembro estivemos nas matas da Pousada Hosparrhaus em Campinho, Domingos Martins e mais uma vez pudemos registra-lo. Planando alto sobre as matas estava um individuo adulto, provavelmente um macho ( presumido devido ao tamanho da ave) que começou a assobiar. No momento que tocamos o play-back a ave logo se interessou começando o processo da descida em círculos que culminou com o pouso em árvores próximas!

Planando  muito alto sobre a região:



Já próximo às copas da mata em voo de caçador, procurando a voz:


Vocalizando muito e descendo:



Pousando nas proximidades:



Procurando de onde vem aquela voz:



Pelas nossas observações, acreditamos que Spizaetus tyrannus, não está tão ameaçado como outros grandes gaviões. Vários autores já se referiram ao fato da espécie ser tolerante a pequenas alterações no meio ambiente, ao contrário de outros gaviões de grande porte. E realmente trata-se de ave de porte avantajado. Possuindo um comprimento entre 58-66 cm. sendo a fêmea maior que o macho, pesando as fêmeas uma média de 1,1 kg e os machos cerca de 900 gramas. Medidas de preservação de nossas matas estão sendo suficientes para manter essa belíssima ave habitando até mesmo nas proximidades de nossas cidades.
Em diversas analises de conteúdo estomacal da espécie foram encontrados pequenos mamíferos e aves. Entre os mamíferos, muitos morcegos, esquilos( caxinguelês). A fama de ser perseguidor de macacos não é totalmente justificada, sendo plenamente capaz de capturar sauins mas pouco provável com espécies maiores como o macaco prego por exemplo! Ironicamente, seu ninho, inclusive, pode ser predado por macacos!
O fato de ser um gavião de grande porte já o coloca automaticamente na mira de fazendeiros e sitiantes como ameaça às criações domésticas. Mas, em mais de uma ocasião, observamos esse gavião planando acima dos urubus, sendo confundido com esses devido sua cor e, desconfiamos que esse detalhe termina por ajudar a espécie!
Já o encontramos em matas pequenas  como na Reserva existente no SESC de Santa Cruz, município de Aracruz.
Fica o registro dessa ave extraordinária e, pelo visto, com capacidade de sobrevivência em nossas matas.

domingo, 8 de novembro de 2015

JAPUS = Psarocolius decumanus

No dizer de Eurico Santos em seu livro antigo e gostoso de ler "Pássaros do Brasil", o Japu é um "imponente passarão de respeitável bico amarelo e longa cauda". De fato, além da beleza da plumagem, diria que se trata de uma ave espalhafatosa!  Na mata é fácil, percebe-lo, tal a algazarra que seus bandos apronta! Outro antigo naturalista, Azara, dizia que o estrago que produz com seus bandos seria comparável ao de um bando de macacos!.
Mas deixando de lado essas opiniões nem tanto 100% verdadeiras, podemos dizer que Japus são Icterídeos muito gregários, vivendo em bandos na floresta ou em suas bordas e que elegem arvores altaneiras para nidificar. E o fazem em colonias, com lindos e compridos ninhos em formato de bolsas que ficam balançando ao vento, embalando seus filhotes em sono reparador. Mas, suas colonias também são visitadas por predadores o que termina por abandonar esse sossego.
Nesse sábado 7 de novembro, em visita à estrada Marginal à Res. Duas Bocas, pudemos ver cinco colônias de Japus, Psarocolius decumanus!



Essa colonia possuía uns 20 ninhos, e não foi possível mostrar todos nessa foto!.
As aves estavam construindo os ninhos, entrando e saindo das bolsas:


O grande problema foi a presença do parasita Iraúna grande, o Molothrus oryzivorus, que estava vigiando, espreitando a oportunidade de por seus ovos em um dos ninhos:


Igualmente, trata-se de outro Icterídeo, de grande porte, mais de 35 cm. de comprimento!


Durante o período que lá estivemos a Iraúna não conseguiu seu intento, de botar seus ovos no ninho dos Japus!